sexta-feira, 5 de abril de 2013

Limites dos sonhos

Apesar de a gente usar tudo que é mulher maravilhosa como inspiração, não dá pra negar que o corpo tem lá seus limites estruturais. Algumas mulheres nasceram para ser Susi, e não Barbie. 


E eu nem estou falando de Glamour. Estou falando de corpo mesmo. A Susi é mais curvilínea, mais gostosona. A Barbie é magrela. Não é que a Susi esteja acima do peso ideal. A Susi simplesmente tem um corpo diferente.

Tá, vou dar um exemplo com pessoas. A Cláudia Raia e a Déborah Evelyn. Elas têm corpos diferentes. E por mais que a Cláudia Raia tente, nunca terá o corpo da Déborah Evelyn.


Não é que a Cláudia esteja acima do peso. O corpo dela é mais quadrado, é mais robusto. E se a Cláudia Raia passasse a vida tentando ter o copor da Déborah Evelyn,  coitada...ela teria uma vida infeliz, porque nunca que iria conseguir.

E por mais que pareça que todas nós estamos buscando o mesmo ideal de beleza, no fundo precisamos perceber que somos muito diferentes. E, muitas vezes, somos mesmo diferentes do padrão.

Eu, por exemplo, acho a Déborah Evelyn elegantérrima. E era assim que eu gostaria de ser. Mas o corpo está mais para Cláudia Raia (não falo atualmente, e sim futuramente mesmo, no meu peso ideal). Por sorte o meu marido acha a Déborah Evelyn horrível de magra e a Cláudia Raia maravilhosa. Não é a tôa que casou comigo.E eu, com meu corpo estilo Susi, sofrerei a vida inteira se passasse ela tentando ser a Barbie. 

Claro, a gente se inpira, traça padrões de beleza, tenta chegar no objetivo....mas precisamos entender que o nosso corpo tem lá seus limites, e não convém tentar ser algo que, na verdade, não somos. E precisamos mesmo entender isso. Porque quando, pessoas como eu, chega no ponto da Cláudia Raia, precisamos perceber que somos assim. E se a gente continuar a nossa busca tentando ser a Déborah Evelyn, não chegaremos a lugar nenhum. 

Mas não é para desanimar. Não estamos aqui para ser uma Juliana Paes ou uma Carolina Dieckmann. Estamos aqui para procurar ser o melhor de nós mesma. Eu sei que comparações e idealizações são inevitáveis e até ajuda. Mas só ajuda se mantivérmos os pés no chão. 

Querem idealizar.....idealizem. Mas vamos colocar uma pitada de realidade. 

Eu sei que, infelizmete, eu nunca serei uma Gisele Bundchen.....o meu corpo não é assim.


Mas nada me impedirá de ser (tipo) a Jennifer Lopez.


É uma questão de consciência, de buscar a coisa certa. E se a gente percebe isso....o caminho fica até mais fácil.

2 comentários:

  1. Gosto é gosto, isso é fato. Mas pra mim, mil vezes corpo de Jennifer Lopez do que de Gisele Bundchen =P
    Acho que mulher não pode ser magrela demais, acho que tem que ter corpo. Acho lindo isso!
    Mas não acho as "magrelas" feias, só prefiro ter corpo mesmo.
    Até meus 19 anos eu era o tipo magrela, aí entre 20 e 21 passei pela fase gostosa, dos 22 até agora nos 25 estou na fase hipopotáma prenha (huahuahuahauhauhauah). Brincadeiras a parte, não quero voltar a ser magrela, quero voltar a ser gostosa mesmo.
    Mas é bom mesmo acordar as mulheres para a realidade, vale muito se inspirar em quem acha linda, mas precisamos tomar consciência do nosso corpo e saber que tem coisas que não são pra gente. Assim como muitas gostosas adorariam ser magrelas e não podem, tem muitas magrelas que gostaria de ser gostosas e tbm não podem. Tudo depende do biotipo de cada uma =)

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente em tudo! Mas eu acho que as modelos são bem aquilo que se propõe: cabides. Acho que as roupas ficam maravilhosa nas mulheres de perna fina, barriga chapada. Acho chiquérrimo. Mas a realidade é outra. Na realidade, ser Jeniffer Lopez é muito melhor......

    Bjs

    PS: morri de rir com a hipopótama prenha.....kkkkkk...somos duas.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...