quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Achando a felicidade pelo caminho

Outro dia eu disse aqui que como porque isso me faz feliz. E eu andei pensando muito nisso. Nessa minha busca pela felicidade instantânea. Porque se eu fizer tudo certinho, daqui 2 meses estarei extremamente feliz com meu corpo novo, mas hoje eu não tenho a felicidade de um corpo lindo e nem a felicidade de uma barra de chocolate. E apesar de 2 meses ser pouquíssimo tempo, é infelicidade de mais na atualidade para ser suportada. 

E pensando nisso cheguei a uma conclusão: a gente projeta felicidade de mais nos resultados. 


Mas é claro que a gente projeta felicidade de mais nos resultados. Brigadeiro é ótimo, mas subir na balança e perceber que emagreceu 2 quilos em 1 semana é melhor. Muito melhor. É quase que uma felicidade suprema. E a gente projeta tanta felicidade nisso, que a gente só fica feliz se subir na balança e ver 2 quilos a menos. Caso contrário a gente fica triste a apela para a felicidade comestível.

Eu não estou louca de dizer aqui que temos que ficar menos feliz com nossas suadas conquistas.  Claro que não. Mas eu vou dizer uma coisa: quando baseamos nossa felicidade (só e somente) na perda de peso, nos tornamos extremamente vulneráveis, e facilitamos o trabalho da tristeza. Porque pensa só, você se pesa 1 vez por semana. E mesmo que fique muito feliz neste dia (e olhe que pode ser que isso nem aconteça) os outros 6 dias são um inferno que só é suportado porque sabemos que daqui a pouco tem outro dia de pesagem com outra dose (ou não) de felicidade.

Agora para para penar na loucura que é isso. Na loucura que transformamos nossa vida. Realmente, eu prefiro um bolo recheado, mesmo que isso me deixa triste no dia de pesagem. Pode ser que eu esteja tentando inverter isso. Fazendo 6 dias felizes (com guloseimas) e 1 único dia triste (o dia de pesagem).

É claro que não é bem assim, que se eu fizer isso vou ficar muito mais infeliz do que feliz, blá blá blá....mas vai explicar isso para meu inconsciente. 

Enfim, pra resumir essa história toda (trágica história toda), eu pensei numa coisa: precisamos achar a felicidade no ato de fazer dieta. 


Tá, eu sempre disse isso também, mas agora estou dizendo profundamente. Quero dizer....é claro que vamos ficar felizes quando vermos o resultado na balança. Mas a nossa felicidade não pode se restringir a isso. Temos que criar (do verbo: inventar até que se transforme num hábito) felicidade em outros momentos. 

Temos que nos sentir felizes a cada salada comida. E não porque isso nos aproxima do corpo ideal (não, nada de pensar no resultado), mas porque isso faz de nós uma pessoa forte, que resiste às tentações. Temos que ver a felicidade de um dia que chegou ao fim e a gente fez tudo certo. A felicidade de caminha no sol, para pegar um calorzinho nesse inverno e colocar as ideias em ordem (e não simplesmente para queimar calorias). A felicidade e malhar para deixar o corpo mais flexível e harmonioso, em paz. 


A felicidade  de simplesmente estar de dieta. A felicidade de estar fazendo algo por você, a felicidade de ser a dona do seu destino. Não porque amanhã você vai estar linda, mas porque amanhã você vai ser o que você quiser. 

E quando chegarmos neste ponto, de achar a felicidade no caminho, o dia da pesagem vai ser só mais um bônus. 


E digo mais, estaremos tão em paz que mesmo que apareça um número ruim na balança ficaremos felizes. Não pelo número em si, mas por temos sido fortes a semana toda, e termos feito tudo o que nos propusemos a fazer.

É mais que a felicidade de "trabalho cumprido". Porque a felicidade do "trabalho cumprido" é quase que um alívio pelo sofrimento ter acabado. E não é isso. É uma felicidade de saber que você aproveitou a semana da melhor maneira possível. 

Não acho que reprogramar nossa felicidade seja fácil. Ainda mais se você cresce ouvindo que só pode comer a sobremesa depois que almoçar (é a felicidade depois do sacrifício). Mas eu acho possível. Porque o que temos que entender é que precisamos aproveitar um almoço delicioso sem ficar pensando no que terá de sobremesa. É aproveitar todos os momentos. Simplesmente se deixar ser feliz, sem que, para isso, precise de comprovação numérica.

Bora tentar......

8 comentários:

  1. Acho que ja queria a tanto tempo mudar que a minha RA tem sido tao tranquila que nao sinto a necessidade de jacar!!
    pelo contrario sinto a necessidade de continuar ate chegar onde eu quero!!!!
    o que nao podemos e nos entregar!!!
    e levantar e sempre ta de bem com a vida e procurando algo para melhorar tanto na alimentação como na nossa mente e no nosso dia a dia!!!!
    beijos amore! adorei o post de hoje!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso que é animação. Eu chamo de "clic" ligado. Quando estamos com o "clic" ligado somos um furacão e não paramos até ter o que queremos. Mas o meu "clic" é muito instável. Ele adora se desligar sozinho......

      bora aproveitar essa sua ótima determinação. Não para mesmo. Vai até o fim...
      bjs

      Excluir
  2. Eu não entendo o motivo de, as vezes, eu abandonar a RA. Me sinto tão bem durante a dieta que é como se eu ja tivesse alcançado os resultados! Minha auto-estima melhora, fico mais animada e feliz. E porque ainda insisto em trocar tudo isso por um prazer fugaz de comer uma barra de chocolate ou me empanturrar de coisas gordurosas mesmo sabendo que ficarei o resto do dia arrependida? Sei lá, viu! Quem explica a cabeça da gente? rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas é isso que eu estou tentando entender. Porque eu também sou assim. Mas quero muito me livrar desses hábitos destrutivos e viver feliz mesmo ser ter chegado no meu objetivo, desfrutar a felicidade de cada grama perdida....vamos ver o que consigo fazer!

      Excluir
  3. Concordo contigo, depois de um tempo eu passei a me sentir tão bem com tudo, comigo mesma e com meu corpo que não encontro mais felicidade em comida.... mas encontro em cada roupa bem vestida, em cada músculo que aparece, em cada elogio que recebo, em cada dia que consigo seguir na linha ! Ser feliz por estar vivendo de uma forma saudável! Claro que ainda tem dias que me permito comer um doce ou outro... mas nada que prejudique os meus resultados de curto prazo!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o certo, né Aline, achar o equilíbrio......e é claro que temos que nos permitir de vez em quando, sem exagero, faz parte do processo, faz parte da aprendizagem.

      Excluir
  4. Oiii miga!!!
    Que texto maravilhoso, vc disse tudo! É isso aí, eu sou contra dietas malucas e proibições, a vida já dura demais, temos que viver com alegria e alegria é comer o que gostamos com moderação claro.
    Isso não quer dizer que nunca mais poderei comer pizza, (eu amo pizza, qqr sabor) posso comer sim!! mas 1 ou no máximo 2 pedaços e não metade pra mais.
    Nossa alegria deve estar em pequenas conquistas como conseguir se controlar por causa de um brigadeiro que insiste em te chamar, de colocar aquela roupa e se sentir poderosa!
    E tem maior alegria do que ouvir alguém dizer: Nossa como vc emagreceu!!
    Devemos nos concentrar nas coisas boas e não em lutas sem fim.
    Lembremos que vale a pena viver!!!
    Bjinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso ai.....porque isso que é vida, né. Aproveitar cada momento. Ser escrava da comida, não é viver
      bjs

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...