quarta-feira, 23 de abril de 2014

E veio a Páscoa

Sabe que, para conseguir emagrecer, precisamos aprender a lidar com certas coisas. Com algumas eu já aprendi, mas outras....são verdadeiros desastres. Dito isso....vamos às notícias de Páscoa.

Como minha sobrinha fez aniversário (2 aninhos) na quinta-feira, véspera da Semana Santa, aproveitamos o feriado e viajamos para casa da minha cunhada. Eu, marido, sogro e sogra. Passamos 4 dias em Chapecó/SC.


Eu sei, 4 dias são até poucos dias.....mas o desastre foi imenso. Sabe que muitas coisas causam pânico para quem faz dieta. Festas por exemplo. Tem gente que não sabe lidar com as festas. Faz tudo certo, mas quando chega numa festa, come até os enfeites de mesa. Algumas pessoas até evitam de ir em festas, só para não cair em tentação. Esse já foi o meu problema. Não é mais. Aprendi a lidar com isso. 

Para outras os fins de semana são tentadores. Fazem a dieta de segunda a sexta e quando chega sábado e domingo, engorda o que emagreceu em uma semana e meia. Este também já foi o meu problema, aliás algumas poucas vezes ainda cometo este erro, mas no geral, aprendi a lidar com o fim de semana. 

A viajar, bom, viajar sempre foi um bicho de 7 cabeças pra mim. É muito tempo fora da rotina com imprevistos para todos os lados. É um tempo em que eu não controlo nada. Nem a comida, nem o horário....nada. E desta vez não foi diferente. Não sou do tipo que chega na casa das pessoas dando ordem. Não faço isso nem com a minha mãe, quem dirá com minha cunhada. Não sei sentar na mesa de alguém e perguntar "cadê a salada?". Eu não sou assim. E chega um determinado momento que eu surto e desconto na comida. 

Eu tentei me preparar para a viagem. A minha cunhada fez uma dieta bem rígida depois do nascimento da filha, emagreceu um monte. E eu pensei que - por conta disso - iria tirar a viagem de letra. Deveria ter muita salada, e eu usaria o Plano B da minha dieta, pegaria leve no almoço para descontar as comilanças de noite. Então tá - pensei comigo - nada de carboidrato no almoço. Não seria fácil, mas eu iria aguentar. 

Então chegou o primeiro dia, primeiro almoço.......e o que era? massa com molho branco. E só. Não tinha outra opção. Como eu iria deixar de comer carboidrato se o único prato era massa. Pensando hoje, na calma do meu ser, eu poderia ter pegado leve na janta naquele dia, e no dia seguinte, tentar usar o Plano B. Mas naquele momento, eu não tava na calma do meu ser. Surtei. E quando eu digo surtei, quero dizer literalmente. Eu paro de pensar e meu estômago entra no modo automático. E modo automático para quem comeu demais por uns 20 anos.....é comer demais.

E a partir daí foi só comilança: aniversário da sobrinha, sushi bar, janta na casa de amigos, churrasco, muita sobremesa, chocolate, e quando não tinha nada disso, eu me enchia (e quando digo enchia era ENCHIA mesmo) de barrinha de cereal. Quem, em perfeito estado mental, se enche de barrinha de cereal? Ninguém.....em perfeito estado mental, ninguém mesmo. Mas eu não estava em meu perfeito estado mental. 

Resumindo......a semana santa foi uma comilança só. 


E na maioria das refeições eu poderia ter evitado o exagero. Poderia. Mas aquela massa no primeiro dia sem nada a mais, desligou o meu "alerta". E o que aconteceu depois disso, em grande parte eu nem me lembro.

Que ensinamento eu tiro disso? Bem, acho que se tirarmos algum ensinamento do trágico, fazemos ele valer a pena....então vamos lá: preciso aprender a lidar com as viagens. 

É sempre assim, toda viagem é uma droga. Eu que deveria adorar viajar, acabo nem querendo, porque na volta é sempre um sofrimento. Como que uma pessoa que aprendeu a lidar com as festas, ainda sofre com as viagens? Claro, as festas é se controlar por algumas horas, e na viagem, estamos falando de dias e dias. 

Mas não importa, preciso aprender......e como "tragédia pouca é bobagem" (tá, confesso, acho que gosto de sofrer, ou pelo menos gosto de me testar), marquei uma viagem para ver a minha família daqui duas semanas. 

Sim, a minha família é sempre pior, sim, eu sempre fico estressada antes mesmo de ir, sim, a relação dieta-e-meus-pais é conturbada. Mas resumindo: eu tô um pouco cansada do marido e consequentemente com saudade da minha mãe. Eu gosto de morar em outra cidade e ficar de fora das confusões diárias da minha família, mas só quem mora longe deles sabe que - na verdade - não é fácil. Muitas vezes, tudo o que precisamos é um abraço de mãe. E não temos. Eu não tenho ninguém. Claro, tenho meu marido, a família dele, meus amigos.....mas não é a mesma coisa. 

Então, no mês passado eu surtei e disse: "quero a minha mãe". E decidi passar o dia das mães com ela. Serão 10 dias. Eu não quero nem pensar em como vai ser. Não vou penar nisso. Mas saio de Porto Alegre com uma missão: aprender a lidar com as viagens. Aprender a lidar com os imprevistos. Aprender que cada dia é um dia. Não preciso colocar toda viagem a perder porque em 1 dia meu cardápio não deu certo. Quero aprender a lidar com isso tudo. Com os comentário dos meu pai (que já viu o meu novo corte de cabelo no face de já reclamou horrores). O pior, que falando assim parece fácil, mas na hora, estando lá....não vai ser fácil. Mas eu quero. Eu vou tentar. Preciso aprender a lidar com as viagens e ponto final. 


Mesmo porque quero viajar mais. O marido anda muito estressado com o trabalho, ele precisa sair mais para relaxar, e eu não tenho o direito de impedir isso por não saber lidar com isso. Não tenho este direito. Então....próxima parada: Cariacica/ES. E seja o que Deus quiser.

6 comentários:

  1. Ai amiga, li seu blog agora, e parecia que tava me vendo, to muito descontrolada com a comida, to numa ansiedade sem fim, e o ruim disso e que como, como e como, as vezes, até sem fome, meio que por desespero, to gorda, não to podendo fazer o que gosto que é correr, pois estou com um problema no joelho, e ainda to engordando o que só piora a situação!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bah, sei bem o que é isso. Mas sabe que comer vicia. Porque comer é bom. Quem não gosta de bolo de chocolate. Chato é fazer dieta. Então, tem que ter em mente, que nos primeiros dias, o corpo vai reclamar, que abstinência com droga. Vai sentir dor de cabeça, vai sentir fraqueza, vai sentir irritabilidade....normal. É o corpo querendo o que não deve. Se obrigue a passar por isso. Se obrigue. Vai ser assim uns 5 dias, e quando finalmente se acalmar, virá o fim de semana para te colocar a prova. Tente não fazer lixo no primeiro find.....e depois que passar por isso, o corpo se normaliza, ele entra no ritmo certo, vc vai perdendo peso, o joelho vai melhorando, daqui a pouco, estará correndo. E por mais que falar (e ler) isso seja fácil, saiba que no inicio é mesmo difícil, mas quando começar a ver os resultados, vai se empolgar de novo. Muitas e muitas vezes a minha empolgação estava no zero. Mas uma coisa que aprendi foi: se esperar a empolgação voltar para começar, não começa nunca. Comece sem empolgação mesmo, começa de vagar, mas comece. E eu digo isso, porque sou assim, que nem você. Sei como é se sentir gorda e não conseguir parar de comer. Eu sei bem...mas se continuar nessa, a tendência é piorar. Mude e mude agora. Força aí, qualquer coisa, só chamar

      bjsbjsjbs

      Excluir
  2. Obrigada amiga, beijão!! Vou me matricular em uma academia nova hoje, só pra mudar os ares!!!

    ResponderExcluir
  3. Ainda estou na fase de evitar festas, mas tem umas que não têm jeito....Os amigos nunca entendem o nosso não, seja na casa dele ou na nossa...Eu fiquei tão arredia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já fui de evitar festa. Mas olha...eu não vivo sozinha, tenho o marido. E é sacanagem fazer ele viver num exílio porque eu não sei comer contidamente. Por isso eu me forcei a a prender a conviver com as festas. E hoje vou em todas....mas me comporto. Mas é verdade....é difícil.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...